sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Alimentar Traumas


  “Daí o espirito insinua que o protagonista estragou a vida daquela pobre adolescente que tinha tanto amor para dar.” [filmes-espiritos-e-kardecismo]
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

  Outro “pecado” do protagonista foi trancar seu irmão mais novo em um mausoléu escuro, o garoto nunca mais superou o medo do escuro.
  Mais uma vez os espíritos poderiam intervir no momento em que o mal estava sendo praticado, alguém poderia ter visto, o protagonista poderia ter sido “sensibilizado”, o caçula poderia ter sido mais esperto e não tentar demonstrar uma coragem que não tinha…mas pulemos estes “detalhes”.
ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº
  Eu tinha muito nojo de fraldas, mas por circunstancias da vida acabei tendo que trocar muitas em minhas filhas, tive que aprender a conviver com isso por muito tempo.
  A caçula parecia fazer de propósito, era eu começar a jantar e ela vinha toda “perfumada” solicitando a troca, minha esposa trabalhava a noite e toda aquela “belezura” sobrava para mim.
  Lembro um dia que sentei na mesa para jantar depois de um duro dia de trabalho e lá vinha no corredor aquele toquinho de gente andando meio torto, em um ato de desespero, a musica do filme Tubarão começou a tocar na minha cabeça [TUM,TUM,TUM,TUM], corri com o prato para o quarto e me tranquei lá só saí depois que acabei de jantar…HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!
  Quero dizer que eu poderia ficar o resto da vida com “trauma” de fralda, minha filha poderia ficar o resto da vida com trauma da fuga do pai, mas a vida continua e também temos RESPONSABILIDADE em superar nossos traumas.
ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº
  O irmão caçula do protagonista “poderia” a partir daquele acontecimento conviver melhor com a falta de luz, poderia esquecer o ocorrido e seguir em frente, mas passou a vida com medo de algum dia ser trancado novamente!!!!!!

“Não escolhemos o que SENTIR, mas podemos escolher como AGIR diante de um sentimento.”

  Também temos responsabilidade sobre os traumas que alimentamos.
  To be continued...




anterior                       <>                                próximo



Postar um comentário