sábado, 27 de abril de 2013

Psicopatas Somos Nós

  “Não são as ervas más que afogam a boa semente, e sim a negligência do lavrador.” 
  [Confúcio]



  Sempre que vemos um ato de extrema violência, um criminoso em série por exemplo, sempre procuramos uma doença no indivíduo, isso nos acalma, nos faz aceitar melhor o ocorrido.

  “Ele teve uma infância problemática”.
  “Ele é psicopata!”.

   Se não encontram nada na infância que justifique a monstruosidade ainda assim teorizam que não procuramos direito, foi uma ocorrência mantida em segredo.

  Perguntei a um colega alcoólatra porque ele bebia tanto?

  “Porque eu gosto!”

  Nós não aceitamos de jeito nenhum que alguém goste de ficar bêbado, não aceitamos de jeito nenhum que alguém se drogue porque goste, sempre há uma doença, sempre há um trauma infantil.
  Sempre nós “sadios” ou “normais” precisamos proteger esses doentes nem que tenhamos que sacrificar outros “normais” como nós.

  O texto bíblico preferido de muitos é: A volta do filho pródigo.

  Quem é mais problemático precisa de mais amor... eu não consigo nem gostar quanto mais amar quem causa graves problemas.

  Se uma pessoa é capaz de matar friamente, é mais importante evitar que ela continue matando que descobrir como ela ficou assim, se um dia Deus irá falar com ela não importa, o importante é ela ter a certeza que se sair da linha nós normais a devoraremos com a força de mil leões.

  Tá bom, seria legal que tivesse um Deus que só permitisse nascer homens bons ou que mandasse um raio na cabeça dos que se tornassem maus, mas se ele abriu mão do seu papel de lavrador nós cidadãos de bem não deveríamos fazer a mesma coisa.
  Não deveríamos ser tão NEGLIGENTES com a criminalidade.
  Nós “normais” MUDAMOS a realidade para ver o bem em tudo.

  Fico pensando que psicopatas somos nós os “normais” que não queremos ver que existem sementes más, humanos com grande capacidade de destruição.


  Matar, é uma vontade que já passou pela cabeça de qualquer um, alguns realizam esse ato, não há doença nisso, é uma questão de capacidade e gosto.



anterior                       <>                                próximo

Postar um comentário