quinta-feira, 30 de maio de 2013

Sobre o Medo

  “O objetivo deste texto não é falar sobre o amor, nem sobre o prazer, mas sobre até que ponto devemos sentir MEDO.” [Amor Retribuido]
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
  Antes de prosseguir relembrem o conceito de Yin/Yang, fujam do lugar comum de bem/mal, concentrem-se na “diferença de potencial” que provoca o MOVIMENTO.

  Ter medo da relação sexual é mau, mas ter medo da relação sexual sem preservativo é bom.

Ter medo de perder a pessoa amada é bom, mas sufoca-la com o ciúme é mau.

Ter medo da responsabilidade que é uma criança é bom, não assumir esta responsabilidade é mau.

  Devemos buscar um equilíbrio. 
  Evitar a obtenção do prazer por ficarmos paralisados pelo medo é mau, mas nos entregarmos ao prazer também é catastrófico.

  Viver bem é ter sucesso neste equilíbrio entre o medo/prazer.
==============================
  Exemplifiquemos: Você gosta de Bingo, mas teme perder todo seu dinheiro, ora, reserve parte de seus rendimentos para este prazer, o tempo gasto em prazer não é perdido.
  Separe 10% do seu salário não para o jogo, mas para o seu PRAZER, se o seu prazer é o jogo então JOGUE!
  Se não consegue se impor limite para o jogo então esta sendo tragado pelo vicio, PARE DE JOGAR!

  Se você é um “escolhido” siga ou não siga seus instintos tudo ficará bem, mas se você é criatura não deixe que o instinto comande sua vida, tome muito cuidado com a paralisia do medo ou a “tentação” do prazer, sim, o objetivo é NÃO SOFRER.
  Agora, se você cultua o sofrimento esqueça estas tolices, esqueça o equilíbrio, esqueça a lógica, esqueça a razão, sofra e seja feliz, só não esqueça uma coisa:
  “Ninguém poderá viver a sua vida por você. Você não terá todas as opções do mundo, mas as que tiver terá que ESCOLHER.”


anterior                       <>                                próximo


Postar um comentário