segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Sobre Virtude

  “A virtude não passa de tentação insuficiente.” [Bernard Shaw]
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
   Bernard esta dizendo de forma graciosa que “todo homem tem seu preço” ou “não existe mulher que não traia, existe mulher mal cantada.”
  Lembrei agora que Adão foi obediente a Deus, ele não comeu e possivelmente não comeria o fruto se este não tivesse sido oferecido por Eva.
  Eva também era obediente a Deus e não teria comido o fruto se não houvesse sido tentada pela “serpente.”

  Me parece que o próprio Deus foi colocando uma tentação cada vez maior até que fosse superada a virtude do homem.

   Então a lógica nos diz que não fomos criados sem virtude, a virtude é natural em nós.

  Virtude = Disposição constante do espírito que nos induz a exercer o bem e evitar o mal.

  Do jeito que Bernard escreveu a frase [não sei se foi sua intenção] parece que somos naturalmente maus, perversos. 
  Temos esta impressão também ao lermos as doutrinas de varias religiões e até discursos ateus.
ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº
  Para os ateus eu digo que se Deus não existe então tudo que foi feito na humanidade saiu da mente do homem, ora, desenvolvemos inúmeras leis de proteção a vida é difícil localizarmos uma cultura onde o assassinato não seja crime punível. 

  Que ser naturalmente mau ajudaria os mais fracos!?

  Atualmente avançamos rapidamente concedendo direitos até a animais de outras espécies, aqui em Campinas foi uma dificuldade incrível matar algumas capivaras que estavam infestando um parque com carrapatos.
  Se para ateus e religiosos o homem é naturalmente perverso, filosofando matematicamente é algo que ainda não consegui OBSERVAR.
  Em um jardim de infância notamos os brigões, mas a maioria das crianças são umas “bananas”, apanham e só fazem chorar ou procurar a tia.
  Outra coisa interessante observando as crianças é sua capacidade de se enturmar até uns 5 ou 7 anos. 
  Eu e minha esposa chegávamos em algum lugar e dizíamos vai brincar com a coleguinha, uma outra criança que minha filha nunca tinha visto na vida, mas em pouco tempo pareciam se conhecer por décadas.
  É senhoras e senhores, olhando muito para dentro de eu mesmo me sinto naturalmente bom e tenho uma certeza matemática que a grande maioria das senhoras e dos senhores também são.
  Viver é muito difícil e os números da violência realmente assustam, mas parece ser decorrência de um fenômeno tão estranho que até parece uma “interferência”.
  Queremos despertar o amor nos “brigões” e não observamos todo amor que há em nós…
 Quem entende?!


anterior                       <>                                próximo