terça-feira, 29 de abril de 2014

Extorsão Legalizada

  “Só que, devido à exigência, o que era para ser de graça tem preço: R$ 20, a taxa cobrada por UNE e UEE para emitir as carteirinhas.” [O Globo]
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
  Não sou catastrofista.
  O Brasil esta longe de ser um lugar horrível para viver, acreditem, já li sobre inúmeros países e não estamos tão mal.


  Digo isso porque como muitos pensam linearmente o fato de eu apontar aqui algumas observações tristes o indivíduo já fica meio deprimido acreditando que vive no pior dos mundos, no pior dos países.
  Sim, eu trocaria o Brasil por uma Holanda, Suíça, Canadá, Alemanha.
  Não trocaria por Grécia, Rússia, Peru, Argentina, Irã, México, Angola, China… e tantos outros.

  Se eu aponto as falhas é porque quero que o Brasil fique melhor, seja mais eficiente em proporcionar uma boa qualidade de vida para todo nosso povo.

  Em um texto eu disse que estamos tão obcecados em xingar políticos que ficamos cegos para toda corrupção que ocorre a nossa volta.
ººººººººººººººººººººººººººººººººººººº
  Quando eu tinha o restaurante sempre chegava o boleto de alguma coisa que eu nem imagina o que era ou para que servia.
  Lembro agora de dois, um era o Sindicato Patronal!
  Vinha lá com um valor que eu tinha que pagar ou não poderia gozar dos “benefícios.”
  Que benefícios? Não faço idéia.
  Um colega comerciante disse que quando não pagou, seu estabelecimento era “estranhamente” muito visitado por fiscalizações com denúncias anônimas.

  Outro que sempre chegava era a cobrança por minha empresa estar em uma lista Telefônica que divulgava o estabelecimento,
caraca, nunca assinei nada nesse sentido, nunca solicitei esse serviço.

  Sabiam que aqui em Campinas se você tem um comércio “regularizado” sua conta de água é dobrada?
  Quando recebi o boleto quase cai de costas.
  Se você gastou 200 de água é cobrado mais 200 pela utilização da rede de esgoto.

  Minha esposa paga um tal de COREN que parece existir só para extorquir ela e suas companheiras de profissão. [Enfermagem]

  E o dia de trabalho que você tem que dar para o “seu” sindicato?

  Enfim, são tantas taxas e “contribuições obrigatórias” estranhamente amparadas por leis que nem sabíamos que existiam, algumas nem existem mesmo, nos acostumamos a pagar sem questionar, para não ter maiores dores de cabeça.
 
  No caso da notícia em destaque será que a UNE fiscaliza a utilização correta do benefício?
  Como ela faz isto?
   Mantém algum funcionário nas empresas de ônibus ou bilheterias de shows?
  Faz um trabalho investigativo para evitar falsificações?
  Olha, sou capaz de apostar que a UNE só vende um carimbo.
  É uma estranha “legalização da extorsão”.
 
A direção da UNE é de "Direita"!?

  “O privilégio dado às duas organizações suscitou críticas entre os estudantes beneficiados. Para eles, não faz sentido exigir uma série de documentos da universidade e ainda a carteira de estudante.
- Não faz sentido isso. Durante o meu ensino médio, eu não pagava nada para ter o passe livre e, agora, tenho que pagar pelo meio-passe?”   CliqueAqui

  Excelente artigo:
  “No entusiasmo de minha formatura em Economia – já vai tempo! –, afiliei-me ao Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro. Antes de começar a trabalhar, fui fazer meu mestrado e doutorado nos Estados Unidos. Lá me apaixonei pelos assuntos da educação, fiz minha tese nesse tema e, ao voltar ao Brasil, fui trabalhar como professor e pesquisador em educação e formação profissional. Em minha passagem pela, CAPES, IPEA, OIT, Banco Mundial e BID, somente lidei com educação. Após minha volta, continuei.

Pois não é que, o Conselho Regional de Economia vem, há muito, insistindo em me cobrar suas mensalidades? Argumentei por escrito que não exercia e jamais exerci a profissão de economista. Pela lógica, se o Conselho ocupa-se do exercício da profissão, não é comigo. Achei que fosse o bastante.

Mas não foi. Recebo agora uma comunicação de que estou sendo processado. Querem de mim as mensalidades atrasadas. Na verdade, os valores são modestos, muito menos do que vale o meu tempo e o do advogado para lidar com essa briga. Mas sou teimoso. Por princípio, não quero pagar.

De um Conselho de Economia, deveríamos esperar luzes sobre os enguiços da economia brasileira. O que vemos? A prática do mais tacanho corporativismo.” [Claudio Moura e Castro]  CliqueAqui


anterior         <>              próximo