sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

“Sou a favor de desenvolvermos nossas próprias tecnologias.”  [Comentarista no G+]

  Reinventar a roda!?
  Há sempre novas tecnologias para serem desenvolvidas, mas se insistirmos em começar do zero... a corrida fica impossível.
  Desenvolver uma Internet só nossa, diferente de tudo que está aí?
  Viu o que fizeram com nossas tomadas?
  Diferentes de tudo que existe no mundo, nossas próprias tomadas.  
  Aqui em casa é um festival de extensões e adaptadores.

  Acabamos de queimar um liquidificador.
  Os pinos da tomada são de diferentes tipos, tem uns mais grossos.
  Ao que parece nós estávamos colocando o liquidificador com pino fino em uma tomada para pinos grossos, o mal contato danificou o motor.
  Aparentemente a tomada prende bem devido ao encaixe plástico, mas o contato metálico interno não é satisfatório.

  "Quando os nossos milhares de estudantes chineses no estrangeiro voltarem para casa, você vai ver como a China vai se transformar."
"Pobreza não é socialismo. Ser rico é glorioso."   [Deng Xiaoping]

  Quando o Ocidente começou a fabricar seus produtos na China aproveitando a mão de obra barata, teve o efeito colateral da TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA.
  Claro que depois do engenheiro chinês ver tantos projetos de celulares e computadores aprendeu como fazer a “roda” e a partir dela dar outros saltos.

  Resumindo: Não precisamos criar “nosso próprio” aparelho de TV, há ótimos televisores no mundo e os conhecendo bem podemos dar um salto além.
  Mas se não dermos esse salto além não tem tanta importância, nosso povo não será privado de ótimos aparelhos de TV só porque nossos engenheiros são pouco eficientes.

  Quero dizer que fechar o mercado para desenvolver uma tecnologia funcionou no passado, mas hoje em dia só prejudica a população.

  O negócio é ter contato com desenvolvedores do mundo todo e contar com nossa criatividade.
  Somos criativos, mas nossa cultura privilegia um “nacionalismo” arcaico e um marxismo fora de tempo e lugar.

  Universidades como a USP e UNICAMP são totalmente refratarias a parcerias com o setor privado.

  Para elas tudo tem que ficar nas mãos do Estado, desenvolver produtos que interessam ao “mercado” é ceder ao nefasto Capitalismo.
  Então haja teses de doutorado que não servem para nada.

   Vejam o caso do pré sal, se estivesse sendo explorado por Americanos e Noruegueses [só um exemplo] com o conhecimento que eles tem sem dúvida estaria muito adiantado e rendendo muito dinheiro de impostos.
  O grosso da mão de obra seria brasileira, nossos engenheiros não são tapados ignorantes, a transferência de tecnologia seria inevitável.
  O Petrobrás tem uma certa excelência na exploração de petróleo, não vejo em que ela seria prejudicada em contato com povos que tem capital e conhecimento.

 Deng Xiaoping foi o melhor que aconteceu a China nos últimos, tempos pena que aqui no Brasil tantos defendam uma “venezualização”.

  O Brasil é uma tomada que insiste em não se encaixar no mundo desenvolvido.
[Nem no subdesenvolvido]


Anterior          <>        Próximo