sexta-feira, 27 de março de 2015

Sobre o Nióbio

'Monopólio' brasileiro do nióbio gera cobiça mundial, controvérsia e mitos.
  “Com 98% das reservas, Brasil não tem política específica para o mineral.
  Exportações cresceram 110% em 10 anos e somaram US$ 1,8 bi em 2012.” 
 [Darlan Alvarenga/Globo]

  As pessoas não entendem que “riqueza” enterrada não adianta nada para sociedade.

  Imagine que meu avô tenha deixado 1 Bilhão na Suíça, mas não deixou a senha.
  Alguém consegue sacar esse dinheiro, mas me cobra metade dele.
  Oras, meio bilhão é muito mais do que nada, eu não reclamaria de um negócio desse, é muito melhor que eu permanecer na pobreza.

   Para extrair nióbio o investimento era muito grande, mais que isso, Estatais nunca são eficientes para tocar o negócio, sempre viram cabide de empregos.
  Não é só extrair, mas comercializar, administrar de forma a maximizar os ganhos.

  Investir dinheiro da sociedade para depois privatizar é algo que devemos evitar, embora seja menos pior que a estatização.

  A opção Liberal mais lógica é que a iniciativa privada invista, toque o negócio de maneira eficiente e a nação fique com sua parte da riqueza através dos impostos.

    Isso é o que tem dado certo nas nações mais civilizadas.
  A produção e comercialização de nióbio no Brasil por incrível que pareça é LÓGICA... por não estarmos acostumados a isso é até estranho.
  Não confunda lógica com perfeição.

 
   Nós temos muito Nióbio, é verdade, mas ele tem que ser vendido por um preço justo o que tem a ver com o custo para extraí-lo.   
  Certamente que podemos chantagear o resto do mundo com preços abusivos para o Nióbio, mas isso dará direito ao mundo de fazer o mesmo com relação a tudo o que é escasso no Brasil.
  É preciso refletir muito antes de implementar uma política de aumento artificial e especulativo de preço é raríssimo dar certo a longo prazo

  Economias estatizantes sempre estão louquinhas para chantagear o mundo pela força ou por deter algum produto importante.

  Esquecem que nenhum país é auto suficiente em tudo.
  O jeito de facilitar a produção e comércio de produtos é a globalização.
  O Brasil tem clima e terra para plantar cana então produz esse produto consome internamente e o excedente exporta para algum país que queira cana, álcool ou açúcar.
  Sempre temos muita dificuldade em equilibrar a balança comercial favorável a nós.
  Sabe porquê?
  Nós importamos muita coisa.

  Fica claro que o mais eficiente é todos os povos optarem pelo diálogo e harmonia, mas essa falta de diálogo “geralmente” não é por parte dos países desenvolvidos e sim dos arcaicos.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Sobre o Lítio:

  “O lítio, metal cujas jazidas se encontram misturadas às salinas, faz parte da vida de todo mundo. Ele é a matéria-prima das baterias presentes em 90% dos notebooks, 60% dos celulares e em todos os aparelhos de MP3 do planeta. Graças às baterias de íons de lítio, de tecnologia mais moderna que suas antecessoras feitas de chumbo, os equipamentos eletrônicos pessoais vêm se tornando cada vez menores e mais possantes.”    
  Agora, com os planos da indústria automobilística de expandir a produção de carros movidos a eletricidade, a tendência é que o lítio adquira um peso cada vez maior na matriz energética mundial. [Veja]

  Veja o caso da Bolívia:

Riqueza inexplorada
  “A salina de Uyuni, na Bolívia, que abriga a maior reserva de lítio do mundo: uma dezena de empresas internacionais quer explorá-la, mas ainda não conseguiu convencer Evo Morales.
  O presidente boliviano diz não querer que estrangeiros "saqueiem" o seu país.”

  Bolivianos tem uma grande reserva de lítio, não conseguem desenterrar e não deixam ninguém fazer isso por eles.
  Na prática o que bolivianos querem é surreal.
  Algum país que tenha capital e tecnologia deve gentilmente dar tudo de mão beijada para Bolívia.
  Transferência total de capital e tecnologia.
  Esse investidor estrangeiro deve abrir mão de qualquer lucro ou se contentar com um lucro mínimo cujo retorno do capital só aconteça daqui uns 100 anos...

  Enquanto isso o lítio fica lá enterrado sem melhorar em nada a vida dos bolivianos.

  Alemães que tem capital e tecnologia para extrair e comercializar o lítio continuam a viver muito bem, bom IDH [qualidade de vida].
  Povos mais organizados são mais ricos e quando a água bate no joelho deles os povos mais atrasados já estão com água até o pescoço.

  A Bolívia aposta que o mundo se curvará diante de sua reserva de lítio, o mundo aposta que se a Bolívia não quiser negociar encontrará alternativas como sempre aconteceu na história da humanidade.
  A Bolívia pode desenvolver por conta própria boas tecnologias para extração do Lítio, isso levará tempo.
  Mas não tenham a ilusão que ela conseguirá colocar o preço que quiser no produto.

  Aqui temos um exemplo rápido e fácil.
  Extrair o petróleo do pré sal custa em média 70 dólares.
  O Brasil gostaria de vende-lo ao mundo pelo menos por 90 dólares.
  Se o mundo pode comprar de outros produtores por 50 dólares porque comprar do Brasil!?

  Vamos além, e se só Brasil tivesse petróleo?
  Se o Brasil colocasse um preço inviável o mundo optaria por uma alternativa mais barata, no momento seria mover os carros a eletricidade, gás ou etanol.

  Fazer apostas contra pessoas mais ricas ou mais fortes é algo que o mais fraco ou pobre tem que meditar bastante sobre os riscos.

  Imagine eu fazendo uma aposta qualquer com o Silvio Santos no valor de 50 mil reais e enquanto essa aposta não se resolve eu não “consigo emprego.”
  [Os bolivianos não estão ganhando dinheiro dos impostos com a venda do lítio]
  Se eu ganhar tudo ficará uma maravilha, ganho uma boa grana e posso voltar a trabalhar, ter algum rendimento.
  Para o Silvio perder 50 mil não é grande coisa, ele não vai perder nenhuma noite de sono por isso.
  Para eu ficar desempregado e ainda perder 50 mil é desesperador.
  Perceba que nesse jogo do lítio quanto mais ignorante o governante boliviano for mais prejudicará seu povo.
  Os países desenvolvidos esperam em colchão de espuma, os países subdesenvolvidos em cama de pregos.

  Povos subdesenvolvidos são extremamente ignorantes e elegem lideres ignorantes.

 Ignoram leis de mercado e macro economia.

  Lembrei do bordão de um humorístico:


“A ignorância é que estravanca o progresso”.



Anterior          <>        Próximo