sábado, 28 de novembro de 2015

Percepção e Fatos

A maioria absoluta das pessoas que moram nas favelas tem orgulho do local em que vivem, e não tem vontade de sair nem se o salário dobrasse; 94% dos moradores se declaram felizes – “Um país chamado favela” - [MarinaPinhoni/Exame]

Só 2% concentram metade da riqueza mundial.

  Vamos meditar sobre essas duas informações baseadas em pesquisas confiáveis.
  Comecemos pela concentração de renda.

  Na pratica o rico não fica com 100% de seus bens, eles são usufruídos por toda sociedade.

  Bill Gates tem cerca de 80 Bilhões de dólares, mas uma pequena parte disso é em dinheiro vivo.
  A maior parte de sua fortuna é a Microsoft da qual dependem inúmeros trabalhadores direta e indiretamente.
  Se você usa o Windows na sua casa, trabalho ou lazer está usufruindo um bem “possibilitado” por Bill Gates.
  A fortuna de Gates não caiu do céu, surgiu em função de um bem/serviço prestado a toda sociedade.

  Se não fosse Gates não teríamos computadores?
  Claro que teríamos, Gates não inventou os computadores, desenvolveu um programa.

  Se Gates não tivesse desenvolvido o tal programa nossos computadores não seriam tão eficientes?
  Claro que seriam, muitos indivíduos desenvolviam programas, por algumas razões as quais seria tedioso detalhar o Windows se consolidou mais rápido, caiu no gosto popular.
  Já escrevi inúmeras vezes que competência conta, mas sorte é fundamental.

  Observamos que o cara fica super rico por vontade de Deus (para religiosos), obra do Acaso (para ateus) somado a algum talento artístico e/ou empresarial (serve para religiosos e ateus).

  Veja a lista dos 10 homens mais ricos do Brasil.
  É comida, bebida, Banco e entretenimento.
  Tem algum desses produtos e serviços o qual você não utiliza nem indiretamente?
  Eu não bebo cerveja, mas inegavelmente esse produto movimenta bilhões na indústria e comércio, gera empregos, paga impostos.
  Se você paga 4 reais em uma cerveja saiba que 2,24 são pagamentos dos mais diversos impostos.

  “Temos esse problema da concentração de renda.
   Você tem que saber que concentrar renda é característica de todo sistema econômico que “eu” conheço.
  Em todos os impérios, monarquias, teocracias, nas mais diversas formas de administração sempre ocorreu concentração de renda.
  O que você vê em filmes sobre reis e rainhas cercados de camponeses pobres é bem real.
  Quer falar da Bíblia? Tudo bem.
  Qual a diferença de renda de um Rei Salomão e um camponês de Israel?” [Terapia da Lógica]
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  “Eu só quero é ser feliz,
  Andar tranquilamente na favela onde eu nasci.
  E poder me orgulhar,
  E ter a consciência que o pobre tem seu lugar.”

  O bom da Internet é  que fica fácil divulgar fatos.
  Isso é importante porque a opinião da massa é movida a percepção que nem sempre corresponde aos fatos.

  Quando você vê a foto de um apartamento ou casa do lado de barracos de favela e para completar fala-se em concentração de renda a percepção do problema das favelas parece ser muito maior do que é o problema de fato.

  Vamos ajustar a percepção aos fatos:
  O Brasil tem 200 milhões de habitantes.
  Desses, 12 milhões moram em locais que chamamos de favelas.
  Se você fizer as contas verá que isso corresponde a 6%.
  Você que está lendo esse texto provavelmente está entre os 94% que não moram em favelas e a foto passa a impressão de ricos.
  Sua casa, mesmo modesta, se for colocada perto de um barraco caindo aos pedaços (o tipo de foto que socialistas gostam de colocar) vai parecer uma bela construção.
  Aqui já vai dando para você observar com fatos que essa percepção do Brasil ter poucas casas e apartamentos cercados por um mar de favelas não corresponde à realidade.
  A verdade é que temos um mar de casas e apartamentos e algumas ilhas de favelados.

  Outro fato que você pode observar é que localidades como a Rocinha são consideradas favelas, mas lá há casas mais confortáveis que muitas em bairros comuns e mesmo quando o “barraco” não é confortável ... veja que dado impressionante:

  Mais de 90% dos moradores sentem orgulho da favela em que moram.

  Sugere que estamos vendo problema onde não tem.
  Você que mora em um bairro comum fica cheio de culpa ao olhar para um morador de favela enquanto isso o morador sente orgulho.

  Outra dedução que já vira provocação é

  Se 94% dos brasileiros conseguem um lugar legalizado para morar porque esses 6% que não conseguem são considerados guerreiros, o símbolo do “bom” brasileiro!?
  [Seria mais coerente considera-los incompetentes, mas não vamos exagerar.]

  Por esses dias estava vendo uma reportagem sobre favela e foi impossível não fazer uma análise.
  Não entendo porque eles ao invadirem o terreno não separam em lotes de pelo menos 70 metros quadrados.
  Porque não fazem uma divisão deixando espaço para ruas.
  Porque não deixam um terreno para escola, praça pública, posto de saúde.
  São incapazes de uma organização básica.
  Vão simplesmente fazendo puxadinhos sem critério algum, ao invés de ruas preferem vielas.
  Não sei se é implicância minha, mas conforme a favela vai ficando antiga as paredes de madeira vão sendo substituídas por tijolos, não entendo porque não rebocar as paredes e passar uma tinta!
  O cara não pagou o terreno, muitas vezes rouba luz e água, não paga impostos, já fez o mais caro que é erguer a parede de alvenaria ... porque não aplicar o reboco e pintar!?
  Barracos bem cuidados ficam mal na foto.
  Não despertam o necessário sentimento de culpa na sociedade “burguesa”.

  Eu não cheguei a morar em favela mas a maior parte da minha vida morei em casa de fundos.
  Isso fomentou em mim uma enorme vontade de um dia ter imóvel próprio, um lugar para chamar de meu.
  Nunca tive orgulho de morar em casa de fundo, na maior parte do tempo tive “vergonha light” ... nada exagerado, afinal não era minha culpa se meus pais não tiveram juízo ao menos para conseguir um imóvel próprio.
  Se por motivos que é até difícil imaginar o indivíduo tem orgulho de morar em barracos e casas penduradas no morro ... é mais uma razão para não nos sentirmos tão culpados por essa situação.

   Um prefeito do Rio de Janeiro propôs cercar as favelas com muros, mas a repercussão foi tão negativa que ele deixou o dito pelo não dito.

  Eu defendo que com muro, cerca ou qualquer outra marcação seja estabelecido um limite para as favelas já existentes.

  Algumas favelas por força de alguma lei seriam removidas ou diminuídas, aquelas que estão em área de grande risco ou em mananciais de agua por exemplo.
  Os barracos que estão dentro desse limite levaremos urbanização e não permitiremos que nenhum barraco mais seja construído.
  Se o sonho do indivíduo é morar em barracos que espere surgir vaga entre os já existentes.
  Entendam que gosto é gosto e na medida do possível tem que ser respeitado.
  Imagine que um homem hétero seja sodomizado por outro mais forte, é horrível, o estupro é um crime brutal.
  Mas se é um homossexual transando com o parceiro que escolheu e tem orgulho disso ...
  Esse exemplo parece bizarro, mas tem tudo a ver.
  Respeitar homossexuais e até seu direito de fazer programas não significa que você aprove isso na esquina da sua casa.
  Respeitar um casal de héteros que faça sexo antes do casamento não significa que você os queira ver fazendo isso em praça pública.
  Respeitar o orgulho do cidadão em morar em favelas não significa que queremos ver os barracos avançando sem controle ou que essas ilhas sejam “terras sem leis”.
  Essa lógica entra em sua mente?






  Se você está entre os 92% ... ajuste sua percepção aos fatos e melhore a qualidade do seu VOTO.



Anterior          <>        Próximo 

Postar um comentário