sábado, 25 de junho de 2016

Muhammad Ali

  “Cassius Marcellus Clay, Jr., nasceu em 17 de janeiro de 1942 em Louisville, Kentucky, Converteu-se ao Islamismo mudando de nome para Muhammad Ali-Haj.”
  [Wikipédia]



  Não sei o que tanto admiram em Muhammad Ali.
  Foi um grande boxeador ... ponto.

  Falo a mesma coisa de Airton Senna.
  Foi um grande corredor de Fórmula 1 ... ponto.

  Ou de Roberto Carlos.
  É um grande cantor e compositor ... ponto.

  O indivíduo ter talento para alguma coisa o torna bom nessa atividade amadora ou profissional que ele desempenha.
  NÃO o torna automaticamente um grande pensador ou alguém de caráter irretocável.

  O grande feito de Muhammad Ali (fora dos ringues) foi se recusar a lutar no Vietnã?

  Segundo ele porque isso não “libertaria seu povo negro”.
  Se Muhammad não considerava todos os americanos seu povo porque não saiu dos Estados Unidos!?
  A guerra do Vietnã foi para tentar evitar o avanço do Comunismo.
  Muhammad Ali era mais um socialista hipócrita gritando contra o imperialismo americano e se calando diante do imperialismo soviético?

  O pai de Cassius era Metodista a mãe era Batista.
  Mesmo sendo de família cristã renunciou o cristianismo e abraçou o islamismo ... não sei que grande feito é esse... que grande prova de inteligência e coerência!
     Uma colega (Nihil) disse que não vê nada demais na mudança de religião de Cassius, ela mesmo veio de família cristã e mudou para o budismo.
  Caraca, se Cassius deixasse de ser protestante e optasse pelo Catolicismo, Budismo, Ateísmo ... eu até entenderia.
  Mas optar por ser muçulmano!
  Islâmicos são menos opressores que cristãos?
  O pacifismo e tolerância do Budismo é do mesmo nível do Islamismo?

   Com relação a causa negra Muhammad Ali adotou aquele discurso que conhecemos bem aqui no Brasil a tal “divida histórica”.
   Na África os negros vivem melhor que na detestável América?
   Porque não ocorreu uma migração em massa para as “raízes africanas”?
   Diferente de países comunistas o USA não impede ninguém de deixar aquela nação.
   Não te parece aqueles comunistas iguais John Lennon que moram em New York?
  Muhammad Ali se recente do seu “povo negro” ter sido trazido da Mãe África, mas não quer voltar pra lá...

  Muhammad foi um grande boxeador e ponto.

  Sim, usou seu sucesso para pedir menos preconceito racial, mas de uma forma que eu particularmente não gosto, cuspindo no prato que comeu.
  Será que ele estaria melhor, teria tido mais oportunidades se seus ancestrais permanecessem na África...

  Muhammad foi contemporâneo de Martin Luther King.

  “Em 14 de outubro de 1964 King recebeu o Prêmio Nobel da Paz pelo combate à desigualdade racial através da não violência.
  Nos próximos anos que antecederam a sua morte, ele expandiu seu foco para incluir a pobreza e a Guerra do Vietnã, com um discurso de 1967 intitulado "Além do Vietnã". [Wikipédia]

  Logo, Muhammad Ali não criou do nada um movimento, ele aderiu a uma causa que já existia com muito destaque na mídia.
  Martin Luther King tinha o talento de ser um grande orador eu o admiro como grande pensador.
  Muhammad aderiu a essa causa nobre do combate à desigualdade racial, mas destacando o lado da VITIMIZAÇÃO algo que considero nefasto.

  "Eu me recuso a ser convocado para as Forças Armadas dos Estados Unidos, pois exijo isenção como ministro da religião Islâmica." [Muhammad Ali]

  Essa foi a primeira justificativa oficial para Cassius recusar a convocação.
  Se vocês pegarem a cronologia dos fatos perceberão que só muito depois ele começou associar a sua decisão a uma luta contra a discriminação racial.
  Se associar a Martin Luther King foi por um ideal ou apenas um bom golpe de Marketing?
  Entenda que historicamente fica claro que sua primeira motivação não foi o fim da guerra (pacifismo) e nem direitos civis (discriminação racial).
  Sua primeira motivação e talvez a única foi RELIGIOSA.
  Não estou dizendo que ele é um gênio do Marketing e planejou tudo isso friamente.
  As coisas foram acontecendo e a SORTE sorrindo para ele...
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
   Por esses dias me disseram que a prova que Cassius Clay era digno de veneração seria seu envolvimento com a ONU em causas humanitárias.

  Vamos meditar sobre isso.

  As carreira nesses esportes de alto desempenho é curta.
  Vejam nosso campeão Anderson Silva.
  Porque você acredita que ele perdeu o título?
  Falta de empenho falta de disciplina?
  Eu aposto que não.
  É a idade (40 anos), ele exigiu muito do corpo e micro lesões vão ocorrendo.
  Hoje em dia o máximo que ele pode atingir é menos que o máximo que um cara de 25 anos atinge.
  Daqui pra frente vai ficar cada vez mais difícil Anderson ganhar muito dinheiro com o UFC.

  O mesmo aconteceu com Muhammad, ele não podia continuar lutando para sempre.
  Parou enquanto era campeão, porque logo deixaria de ser.

  Quando você não consegue ganhar dinheiro com seu maior talento o que acorre?

  Para qualquer “celebridade” uma boa fonte de renda são campanhas publicitárias.
  O Pelé ganhou dinheiro com o futebol até os 37 anos depois sua principal fonte de renda é sua imagem, sua marca/grife.

  Entenda que para celebridades cuidar da imagem é de suma importância.
  E imagem é construída se mantendo na mídia de alguma forma “positiva”.

  Se Muhammad não podia mais lutar e nunca demostrou outros talentos como treinador, apresentador, ator ... um bom jeito de se manter na mídia foi abraçar causas humanitárias.
  As pessoas falam como se ele tivesse muitas opções na vida.
  Lembremos que ele tinha Parkinson.

  Quem em algum momento ganha muito dinheiro na vida se acostuma a um padrão muito alto e caro.

  O que Muhammad ainda tinha para comercializar senão sua imagem e que melhor maneira de valoriza-la que se associando a obras humanitárias da ONU?

  NÃO! Não estou dizendo que celebridades fazem tudo por interesse. 
  Quem não quer acabar com a fome no mundo?
  Quem não quer ajudar órfãos?
  Quem não quer o fim das guerras?

  Se você é alguém famoso e pode influenciar pessoas para um mundo mais civilizados e se fazendo isso você melhora sua imagem e consegue contratos comerciais ... que mal tem?
  Unimos o útil ganhar dinheiro com o agradável apoiar causas nobres.

  Quando você vê a Angelina adotando crianças é claro que é legal
  Mas ela tem tanto dinheiro, pode contratar tantos auxiliares que a tarefa não é tão pesada assim.
  Um casal classe média que adote uma criança tem muito mais contratempos que a Angelina adotando 10.

  Um ator de Hollywood doou 500 mil a uma causa nobre, sem dúvida isso é muito legal, mas se você verificar seus rendimentos naquele ano verá que a doação foi uma fração ínfima.
  Os 500 mil foram um investimento em propaganda e marketing a nível mundial.
  Você que emprestou 500 reais a um amigo e não recebeu teve prejuízo, a celebridade que doou 500000 reais a uma ONG teve um “lucro” danado em termos de imagem.

  O envolvimento de Muhammad com projetos humanitários foi legal, mas daí a venera-lo por conta disso vejo como um exagero.
  Se envolver em escanda-los ao invés de causas humanitárias seria Muhammad abusar da sorte.

  Veja o caso de outras celebridades:


“Ronaldo Fenômeno é acusado de não pagar programa a travesti.” [Extra/Globo]


Esposa de Johnny Depp pede divórcio e acusa ator de violência doméstica”. [Clic RBS]


“Em 2005, tabloides britânicos divulgaram fotos da então super modelo Kate Moss supostamente usando cocaína.
  Na época, a repercussão negativa do caso fez com que a top pedisse desculpas e perdesse contratos importantes.” [IBahia]

Charlie Sheen disse ainda que sofreu "extorsões", já que lhe pediram dinheiro para manter o segredo de que ele era portador do vírus da Aids.
  De acordo com o ator, houve gente que cobrou "milhões" para não falar publicamente sobre o vírus.” [Globo]

  Por vezes a celebridade ganha dinheiro mantendo uma imagem “negativa.”

  Charlie Sheen sempre teve uma vida desregrada, diziam que na série 2 Homens e Meio Charlie interpretava ele mesmo e isso atraia mais fãs.
  Mas a ocorrência da AIDS se ele pudesse teria escondido.

  No passado cantores/bandas principalmente de Rock destruíam hotéis, se envolviam em orgias e uso de drogas para passar um ar de “rebeldes”.
  Houve uma época que a rebeldia era idolatrada como uma luta contra o sistema.
  Sexo, drogas e Rock.
  Infelizmente isso chegou até nossos dias.
  Professora defecando na rua em protesto.
  Estudantes querendo “acabar com tudo isso que está aí” através da invasão e cerceamento de direitos.
  Principalmente nos Estados Unidos vemos artistas se mantendo na mídia bebendo em excesso, se drogando, vazando nudes ... tem muitos fãs que gostam.
  Cantores de rap tem que manter a imagem de maus, de bandidos...

  Enfim, para bem ou para mal o artista tem essa necessidade de se manter na mídia.
  É o velho mote:

  Falem bem ou falem mal, mas falem de mim.

  O que a celebridade não quer é ser esquecida... quer ter paparazzi e  ser reconhecida na rua.
  Alguns conseguem a eterna idolatria, Muhammad Ali sem dúvida conseguiu.
  No entanto para eu, foi só um grande pugilista e ponto.

  Eu nem assisti as lutas de Muhammad e os vídeos da época são bem toscos.
  Minha memória de grande boxeador foi Mike Tyson um grande boxeador e ponto.
  Tyson não cuidou bem da imagem, até mordeu um adversário no ringue, sua imagem atualmente não lhe rende muito dinheiro.






Anterior          <>        Próximo 
Postar um comentário