sábado, 20 de agosto de 2016

Porque Ateus Falham?

  O pior erro é aquele no qual não aprendemos nada de novo.
  Quando vamos aprender que o Marxismo é um erro?
  (Aprendizado essencial para ateus.)

____________________________________________________________________
  “Para Ciência sugerir que o "pensamento espiritualista" funciona, inicialmente, deve-se constatar a existência do sobrenatural/paranormal/espiritual”.
[Comentarista ateu no G+]
_____________________________________________________________________  

  Não, não precisa.
  Se espíritos existem ou não existem é uma outra discussão.

  “ACREDITAR QUE ELES EXISTEM” faz diferença independente de eles existirem de fato.

  Meditemos:

  Acreditar que um casamento pode dar certo nos faz casar.
  Ter a certeza que casamento é sinônimo de infelicidade nos faz fugir de relacionamentos sérios.
  Casamento é bom ou mau?
  O que a ciência sugere?

“Pessoas casadas vivem por mais tempo, diz estudo.
  Pesquisadores americanos sugerem que indivíduos solteiros durante a vida adulta têm o dobro de chance de morrer mais cedo do que os casados.” [Época]

   Do ponto de vista da expectativa de vida casar é bom.
   Quem tem certeza que bom casamento não existe está fazendo uma “aposta errada” ... segundo sugere a ciência atual.

  Acreditar em Deus/Espirito fez a humanidade se organizar melhor em sociedade.
  Sugere uma adaptação melhor, ou menos ruim que o ateísmo.

  Onde está o método científico nessa constatação?

  [O método científico refere-se a um aglomerado de regras básicas dos procedimentos que produzem o conhecimento científico, quer um novo conhecimento, quer uma correção (evolução) ou um aumento na área de incidência de conhecimentos anteriormente existentes.
  Na maioria das disciplinas científicas consiste em juntar evidências empíricas verificáveis - baseadas na observação sistemática e controlada, geralmente resultantes de experiências ou pesquisa de campo - e analisá-las com o uso da lógica.

    Para muitos autores, o método científico nada mais é do que a lógica aplicada à ciência.]

  No decorrer da história da humanidade inúmeras sociedades foram formadas e não temos notícia de nenhuma sociedade ateia que superasse as sociedades religiosas.
  Veja bem, fazemos um estudo amplo de história (pesquisa de campo), juntamos evidencias empíricas verificáveis e analisamos usando a lógica.
  Ateus simplesmente não tem bons resultados para apresentar.

  Quando falamos que nações marxistas como a URSS optaram por um Estado Ateu a maioria dos ateus não reconhecem como tal, dizem que Stalin era religioso.
  Se aceitamos esse argumento dos ateus o ateísmo se mostra mais frágil ainda.
  Desconsiderando as nações comunistas como representativas do ateísmo no poder então o ateísmo é tão ineficiente que nunca conseguiu se organizar em uma nação.

  E se considerarmos as nações comunistas como ateias?
  Comparadas com as nações de maioria teísta não se mostraram melhores.
  Como sabem eu defendo que a CULTURA de um povo tem mais influência em seu desempenho eficiente ou ineficiente do que a religião que pratica ou não pratica.
  Aqui no Brasil algo que atrapalha muito é a falta de planejamento e isso não é característica exclusiva de ateísmo ou teísmo.
  Outra coisa que atrapalha é a corrupção e impunidade, mais uma vez não tenho como atribuir isso a religiosidade ou falta dela.

  Eu acredito que o fato de ateus não terem constituído nações eficientes pode ser atribuído a opção deles pelo Comunismo.

  [NÃO, não estou dizendo que todo ateu é comunista/marxista, estou dizendo que comunistas preferiram um Estado Ateu, isso é um fato histórico incontestável.]

   Marx foi uma grande crítico das religiões e isso criou uma sintonia com ateus.

  Os povos mais religiosos desenvolveram uma certa antipatia pelo Marxismo justamente pelo excesso de critica as religiões.

  O fascinante é que a vida não é uma ciência exata.

  Religiosos Católicos desenvolveram a Teologia da Libertação que a grosso modo é o marxismo dentro da igreja.
  Veja o caso da Venezuela, é um povo sem dúvida religioso, mas optou pela Estatização da economia, uma das principais características do Comunismo/Socialismo/Bolivarismo.

  É o caso do Brasil, somos “nominalmente” a maior nação católica do planeta, mas aqui a Teologia da Libertação marcou profundamente nossa CULTURA, aqui a esquerda é hegemônica e nosso atraso em relação a uma Austrália ou Canadá tem mais a ver com nossa opção pela estatização desmedida da economia que por algum problema na colonização.
  
  Eu acredito que se ateus esquecerem Marx e abraçarem pensamentos de Direita o atraso histórico deles em relação aos espiritualistas será diminuído.
  Onde está o método cientifico nessa minha opinião?
  Eu olho para China.
  Como Estado ateu apresentava péssimos resultados.
  A China continua um Estado Ateu, mas bem mais tolerante com religiosos, paralelo a isso se abriu muito para o Capitalismo.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Senti necessidade de publicar esse texto, o passando na frente de outros, na tentativa de demonstrar porque filosoficamente combato mais a ideologia de esquerda que qualquer outra ideologia.

  O Marxismo/Socialismo/Bolivarismo atrasa igualmente teístas e ateístas.

  Se o indivíduo é ateu ou teísta ... é algo fruto de experiências pessoais que “no geral” afeta mais a vida do próprio indivíduo.
  Em nações Livres/Democráticas o cidadão não terá maiores problemas além de intermináveis discussões na Internet

  Entretanto se o cidadão defende ideais da Esquerda, defende o atraso, a ineficiência, defende ideias que cientificamente não deram certo e não tem nenhum fato novo que possa levar o Comunismo a funcionar como o “idealizado”.

  Se você é ateu e o pensamento espiritualista te incomoda ... não tem jeito, vai ter que conviver com isso, não tenho nenhuma palavra de alento para te dar.
  Mas entenda que atualmente o grande “mal” da humanidade, o que mais tolhe nosso progresso é o Marxismo e todas suas ramificações.

  Vejam o caso do Irã ou Arábia Saudita, são nações religiosas, mas com uma estatização absurda da economia.
  A figura do Aiatolá e do Rei NÃO são meramente decorativas como acontece na Inglaterra.
  Nas nações Teocráticas vemos uma intervenção máxima do Estado na Economia e nos direitos individuais do cidadão.

  Na Alemanha Nazista o Estado era Hitler.
  Em Cuba o Estado é Fidel.
  Na Venezuela o Estado era Chávez.
  No Irã o Estado é o Aiatolá Ruhollah Musavi Khomeini.
  Na Arábia Saudita é Salman bin Abdulaziz Al Saud.
  Na China o Estado é o Partido Comunista.
 
  Note que o Estado se personifica de várias formas, mas todas convergem para intervenção máxima.

  Como Livre Pensador minha opção é óbvia.
  Defendo nações Democráticas/Parlamentaristas/Capitalistas.
  A intervenção do Estado deve ser a mínima necessária cerca de 20%.

  Enquanto a prioridade de tantos é discutir o sexo dos anjos a minha preocupação é mais terrena é lutar por uma economia de Direita, cientificamente é a que nos traz melhores resultados.

  Ateus falham em apoiar as ideias de Marx só porque ele era crítico de religiões.





  Muito se fala da contribuição de Smith no campo econômico e menos se fala de seus pontos de vista religiosos e morais.
  Na obra Teoria dos sentimentos morais, Smith discutiu o papel da simpatia ao relacionar o auto-interesse com a virtude.
  Se é permitido ao livre mercado funcionar e às pessoas enriquecer, elas terão tempo de se preocupar com a situação angustiosa do indigente.
  Na sociedade primitiva, o foco primário do povo é a sobrevivência.
  Smith também demonstrou que o mercado promoveu virtudes, tais como, responsabilidade, honestidade, frugalidade, habilidade e auto-controle.
  Na busca pela aquisição de riqueza e poder, essas virtudes são necessárias para ser bem sucedido.
  Em épocas passadas, não havia tal mecanismo mercadológico de seleção ou incentivo para por em prática a virtude.
  Na época pré-comercial, escreveu Smith, os ricos e poderosos dependiam da fraude e do privilégio.
  Além do mercado, outras instituições, tais como a Igreja e a sociedade, apoiariam a virtude.
  Smith afirmou que a religião é uma expressão da necessidade de justiça e benevolência no mundo material que “reforça o senso de dever natural.” [Acton Institute]

  Adquira Conhecimento:

  Muitos acreditam que o Liberalismo Econômico (Teorias do Livre Mercado) surgiu em oposição ao Comunismo o que não corresponde à realidade histórica.
  Adam Smith morreu em 1790, Karl Marx nasceu em 1818.

  O que havia em 1750 na fase adulta de Adam Smith?

  Mercantilismo é o nome dado a um conjunto de práticas econômicas desenvolvido na Europa na Idade Moderna, entre o século XV e o final do século XVIII.
  O mercantilismo originou um conjunto de medidas econômicas diversas de acordo com os Estados.
   Caracterizou-se por uma forte intervenção do Estado na economia.
  Consistiu numa série de medidas tendentes a unificar o mercado interno e teve como finalidade a formação de fortes Estados-nacionais.
  É possível distinguir três modelos principais: balança comercial favorável, pacto colonial e protecionismo.
Segundo Hunt, o mercantilismo originou-se no período em que a Europa estava a passar por uma grave escassez de ouro e prata, não tendo, portanto, dinheiro suficiente para atender ao volume crescente do comércio.
  As políticas mercantilistas partilhavam a crença de que a riqueza de uma nação residia na acumulação de metais preciosos (ouro e prata), advogando que estes se atrairiam através do incremento das exportações e da restrição das importações (procura de uma balança comercial favorável).
  Essa crença é conhecida como bulionismo ou metalismo.
  O Estado desempenha um papel intervencionista na economia, implantando novas indústrias protegidas pelo aumento dos direitos alfandegários sobre as importações, (protecionismo), controlando os consumos internos de determinados produtos, melhorando as infra-estruturas e promovendo a colonização de novos territórios (monopólio), entendidos como forma de garantir o acesso a matérias-primas e o escoamento de produtos manufaturados.
  A forte regulamentação da economia pelo mercantilismo será contestada na segunda metade do século XVIII por François Quesnay. [Wikipédia]

  Notem que o pensamento corrente na humanidade seja na Monarquia ou na Republica era a intervenção máxima do Estado.

  O “pensamento novo” em nossa história é Adam Smith e suas ideias de Livre Mercado, intervenção mínima do Estado.
  Quando chamam defensores do Liberalismo de retrógrados ... não entendo porque!?
  Marx, Lenin, Stalin defendiam intervenção máxima do Estado tal qual os pensadores antigos.

Para terminar:

  Adam Smith tinha mania de conversar consigo mesmo, um hábito que começou durante sua infância, quando ele sorria na conversa extasiada com companheiros invisíveis.

  As ideias de Adam Smith saíram totalmente de sua mente ou teve contribuição de seres invisíveis...

  Talvez alguém possa insinuar que minha simpatia por Adam seja fruto da nossa demência tão semelhante.
  Eu mesmo não sei até que ponto os textos saem da minha mente ou se tem alguma ação invisível.

  Mas senhoras e senhores, desconsiderem a demência, apenas observem os resultados das experimentações históricas/cientificas.


  Loucos todos nós somos um pouco, vamos nos concentrar nas loucuras que dão certo é o mais próximo que podemos chegar da lucidez.... se ela realmente existe.


 Anterior          COMENTAR        Próximo